Política

Congresso

"Botafogo" na delação da Odebrecht, Rodrigo Maia é reeleito na Câmara

por Redação — publicado 02/02/2017 15h03, última modificação 02/02/2017 15h07
O maior desafio do deputado será manter a coesão na base, rachada entre a antiga oposição aos governos do PT e o "centrão" de Cunha

Em mais uma vitória de Michel Temer no Congresso, Rodrigo Maia (DEM-RJ) foi reeleito na tarde desta quinta-feira 2 para comandar a Câmara dos Deputados por dois anos. Maia estava no cargo desde julho de 2016, quando venceu a eleição para completar o mandato de Eduardo Cunha (PMDB-RJ), deputado cassado e atualmente preso por seu envolvimento nos casos de corrupção da Lava Jato.

A vitória de Maia se soma à de Eunício Oliveira (PMDB-CE), outro aliado de Temer, que vai comandar o Senado. Tanto Maia quanto Eunício foram citados em depoimentos de ex-executivos da Odebrecht e podem se complicar com a divulgação do conteúdo das delações, prevista para as próximas semanas. 

Em pré-delação ao Ministério Público Federal, o ex-diretor da empreiteira Cláudio Melo Filho afirou que o deputado do DEM era o ponto de interlocução dentro da Câmara na defesa dos interesses da empresa. Afirmou também que o parlamentar tinha recebido um pagamento de 500 mil reais em 2010. Em sua defesa, Maia declara que todas as doações recebidas foram legais e declaradas ao TSE, além de ressaltar que nunca recebeu vantagem indevida para voltar qualquer matéria na Casa Legislativa.

Na quarta-feira 2, Maia e Eunício conseguiram uma "proteção" para se manter no cargo em caso de avanço das ações contra eles, graças ao pedido de vista de vista de Gilmar Mendes, no Supremo Tribunal Federal, em processo que trata da existência de réus na linha sucessória da Presidência da República. O julgamento já tinha cinco votos favoráveis ao impedimento total de réus no comando da Câmara e do Senado, mas foi suspenso.

O grande desafio de Maia será reunificar a base governista, rachada por conta da eleição entre a antiga oposição aos governos petistas, capitaneada pelo PSDB e pelo DEM, e o chamado "centrão", base fisiológica articulada por Eduardo Cunha ao longo de seu reinado.

Câmara dos Deputados
O maior desafio de Maia será recompor a base governista (Lucio Bernardo Jr./Câmara dos Deputados)

As disputas começaram quando Maia mostrou intenção de concorrer ao cargo novamente. Pela Constituição, o mandato tem período de dois anos, sem direito à reeleição, mas a Carta não prevê casos como o mandato-tampão de Maia. O mesmo ocorre com o Regimento Interno da Câmara. Diversos candidatos levaram o caso à Justiça, mas o STF determinou que Maia poderia concorrer novamente.

O PSDB retirou a candidatura do deputado Carlos Sampaio, e Maia concorreu ao cargo ao lado de Jovair Arantes (PTB-GO), André Figueiredo (PDT-CE), Júlio Delgado (PSB-MG), Jair Bolsonaro (PP-RJ) e Luíza Erundina (PSOL-SP), vencendo a disputa de maneira tranquila,em primeiro turno de votação, com 293 votos.

Pressionado por militância, PT apoiou candidato do PDT
Para não se “queimar”, segundo palavras de um deputado petista, a bancada do PT na Câmara anunciou na  terça-feira 31 apoio ao candidato do PDT à Presidência da Câmara, André Figueiredo. A decisão reflete a pressão da militância do partido, que tem feito campanha contra o apoio da legenda a Maia, considerado “golpista” pela relação com o presidente Michel Temer. 

O anúncio foi feito após reunião dos deputados do partido, no Congresso Nacional. "É uma candidatura muito importante num momento que é necessário marcar posição no País", declarou o líder do PT, Carlos Zaratti após a oficialização do apoio. "Estamos fazendo um gesto de unidade às forças de oposição na luta por uma Câmara mais democrática, que respeita a participação popular".

Figueiredo
Figueiredo recebeu apoio do PT (Leonardo Prado/Câmara)
Apesar do discurso, a bancada estava dividida. Parte dos deputados do PT considerava o apoio a Figueiredo um erro, pois tal postura implicaria na perda de cargos na Mesa Diretora e em comissões importantes para a disputa num ano em que o governo Temer deve impor as reformas trabalhistas e da Previdência. 

 

A ala de deputados que quer apoiar Rodrigo Maia resolveu, no entanto, ceder para que, oficialmente, a orientação do partido seja pelo voto em Figueiredo. De acordo com um dos parlamentares petistas, isso não significa, no entanto, que de fato todos os nomes do partido vão votar no candidato do PDT, já que a votação é secreta.